A previsão é de que até o final de outubro o complexo esteja concluído

Anta Gorda é o único município da região alta que está concedendo incentivo para um empreendimento do porte do Condomínio Avícola, que faz parte de um projeto mais amplo da cooperativa Dália Alimentos. O resultado: um acréscimo importante na arrecadação de ICMS do município por tempo indeterminado, (valor que deverá superar os R$ 200 mil por ano) o que permitirá ao município a realização de novos investimentos nas mais diversas áreas.

O Condomínio avícola que é formado por 20 sócios e está sendo edificado na localidade de Linha Quinta, contará com um investimento que deverá superar os R$ 9.5 milhões. Para viabilizar a implantação deste empreendimento em seu território, o município de Anta Gorda concedeu um incentivo relevante, visando assegurar o retorno de ICMS, a geração de outros impostos e de empregos para o município.
“Sabemos que muitas pessoas criticam os incentivos concedidos ao condomínio avícola, mas temos a nossa consciência tranquila e a convicção de que fizemos aquilo que é melhor para Anta Gorda se olharmos o longo prazo”, ressaltam o prefeito Celso Casagrande e a vice-prefeita Madalena Gehlen Zanchin, explicando que diversos estudos foram realizados para avaliar a viabilidade da concessão do incentivo.
“Tomamos uma decisão baseada em números, dados e perspectivas”, justificou a vice-prefeita argumentando que os gestores municipais devem sempre se preocupar muito e buscar formas de alavancar o aumento da arrecadação, pois é somente com dinheiro em caixa que será possível atender bem as demandas da população. Ela ainda exemplificou que se os gestores não estivessem de fato preocupados com o crescimento econômico do município poderiam ter investido os recursos em obras como a pavimentação de ruas no centro da cidade, ou alguma outra obra, que rendesse votos, em função de serem constantemente visualizadas pela população, mas que o projeto da atual administração não é eleitoreiro, e sim, voltado para fazer aquilo que realmente vai representar um retorno para a cidade por um longo prazo e permitirá novos investimentos.
O prefeito Celso também destacou a importância de o município apoiar investimentos no setor avícola, uma vez que existe uma excelente perspectiva de crescimento da atividade no Brasil e de uma demanda crescente pela carne de aves no mundo. “Temos a Dália Alimentos investindo mais de R$ 100 milhões com a construção de frigorifico, fábrica de rações e estruturação da atividade, isso é um indicativo importante de que a atividade será promissora, Anta Gorda não pode perder a oportunidade de ser parceira de um projeto assim e deixar de ganhar dividendos com a iniciativa, nossa previsão é de que os incentivos concedidos retornem aos cofres públicos em sete anos e após isso, todo o valor que entrar será dividendos que poderemos investir em nosso município, ao contrário de muitos outros investimentos que são feitos, que jamais retornam aos cofres públicos e nunca gerarão dividendos, apenas custos de manutenção, esse é um investimento diferenciado”, frisou.
O produtor antagordense e conselheiro da Dália Alimentos Silvano Berté não esconde o entusiasmo com o projeto.  "O espírito cooperativista faz a diferença neste negócio, jamais conseguiríamos edificar um projeto deste porte sozinhos ou de forma isolada, isso só está sendo possível devido ao cooperativismo; destacou afirmando que os sócios já têm a cultura da cooperação e isso faz toda a diferença no trabalho.
Berté foi eleito pelo segundo ano, presidente do grupo de produtores que compõe o Projeto ASA. Ele ressaltou os inúmeros benefícios de ser associado da cooperativa e declarou que jamais deixará de ser cooperativado.
Neste projeto, cada associado investiu uma cota de R$ 416 mil, totalizando um investimento que vai girar em torno dos R$ 9,5 milhões contando com os incentivos do município. Segundo Berté, essa é uma iniciativa que beneficia a sociedade como um todo. “Um negócio assim gera oportunidades, trabalho, impostos e produção constantemente, isso beneficia a nossa sociedade como um todo, é uma unidade geradora de alimentos, e as perspectivas são de que o mundo vai precisar de cada vez mais alimentos”, ressaltou Berté.
O complexo

Oito galpões com 156 metros de comprimento por 16 metros de largura cada;
Galpão para depósito de cavacos;
Almoxarifado;
Duas casas para moradia;
Composteira;
Totalizam aproximadamente 21 mil metros de área construída;
Estágio da obra

Dois galpões já estão fechados com paredes;
Um com equipamentos montado;
Equipamento depositado em quatro galpões aguardando a montagem;
Previsão: final de outubro, começo de novembro, tudo pronto com a chave na mão;
Capacidade

A capacidade estimada para abrigar aves é de 275 mil aves por lote;
Previsão é de realização de seis lotes por ano;
Retorno

A previsão de retorno dos incentivos concedidos pelo município é de cerca de sete anos.
Pelos cálculos prévios o condomínio deverá figurar entre as quatro maiores contribuintes do município a partir de seu pleno funcionamento que deverá ser em 2021, gerando um aumento na arrecadação de ICMS do município de Anta Gorda, na casa de aproximadamente R$ 200 mil ao ano.
A geração de no mínimo seis empregos diretos;
A atividade movimenta uma grande cadeia produtiva no seu entorno, envolvendo o consumo de uma série de produtos como rações, medicação, combustíveis, lenha e outros;
Uma nova cooperativa está sendo estruturada para realizar o transporte dos frangos. A nova sociedade será composta pelos mesmos sócios do projeto inicial.
A sociedade

19 pessoas Produtores associados à Dália Alimentos – pessoas físicas  - sendo 16 antagordenses, dois arvorezinhenses e um itapuquense.
Mais uma cota da cooperativa  Dália Alimentos;
No total são 20 sócios com cotas iguais de 5% cada um.
Incentivos

Por meio de uma parceria entre o município de Anta Gorda e a Cooperativa Dália Alimentos, o município de Anta Gorda concedeu incentivos para a implantação de um condomínio avícola que deverá impulsionar a arrecadação de ICMS no município.
2017 – Aquisição do imóvel rural: R$ 228.750,00

2018 – Estudos, projeto e execução de terraplanagem; ampliação da rede elétrica: R$ 795.593,35
2019 – Arruamento interno com britagem e compactação das estradas: R$ 50 mil;
Perfuração de um poço artesiano, ainda faltando a execução. Custos indefinidos.

A Dália Alimentos

A Cooperativa Dália Alimentos, de Encantado, no Vale do Taquari, possui 72 anos de fundação, completados em 15 de junho. No exercício de 2018 o faturamento foi de R$ 1,1 bilhão.
- Total de funcionários da Dália Alimentos: 2,2 mil.
Tem como atividades: a suinocultura (com abate diário no frigorífico localizado em Encantado de 2,7 mil suínos) e a produção de leite (com duas unidades localizadas em Arroio do Meio, sendo a unidade principal localizada em Palmas e com capacidade de recebimento para 1,1 milhão de litros/dia).
-No dia 25 de outubro deste ano será inaugurado o Complexo Avícola, . O projeto Frango de Corte está assim estruturado:
1)    Projeto ASA: Consiste no matrizeiro sendo construído em Vale Verde. Fazem parte desta sociedade 37 funcionários + a cota da cooperativa;
2)    Incubatório: em fase de construção em Mato Leitão. Investimento de R$ 1,2 milhão por parte da cooperativa;
3)    Nove Condomínios para a produção de frango de corte. Os condomínios são constituídos por produtores rurais associados à Dália. Em cada um dos empreendimentos a cooperativa possui uma cota e o investimento em cada condomínio gira em torno de R$ 7,5 milhões.
4)Complexo Avícola: inclui frigorifico (que demandará em torno de 350 postos de trabalho inicialmente), fábrica de farinhas e de carnes e fábrica de rações. Investimento de R$ 96 milhões.
O Programa Frango de Corte foi estruturado para viabilizar toda a cadeia produtiva. Assim, o  Frigorífico de Aves, que está sendo construído no município de Arroio do Meio, foi projetado em três módulos de expansão, sendo o 1º para abate de 55 mil frangos/dia, o 2º para abate de 110 mil frangos/dia e o 3º para abate de 165.mil frangos/dia. O primeiro módulo entrará em operação já na segunda quinzena de outubro de 2019. No mesmo município também estão sendo construídas a Fábrica de Rações e de farinha de carne e o Incubatório está sendo construído no município de Mato Leitão. Esses investimentos, que são  de responsabilidade da Cooperativa Dália Alimentos, totalizam o valor de R$  118.835.000,00.
O Matrizeiro, em edificação no município de Vale Verde, RS, é de responsabilidade da empresa ASA, formada por um grupo de funcionários e associados da Dália, que investirão o valor de R$ 20 milhões. Em paralelo, a produção do frango de corte, que abastecerá o frigorífico,  será de responsabilidade de nove núcleos de produção,  que alojarão 275 mil frangos cada, suficientes para abastecer a primeira etapa do projeto. Esses núcleos são propriedades de nove associações formadas por famílias de associados, em número médio de 20 e, assim como o Matrizeiro,  deverão expandir-se para acompanhar o dimensionamento do parque industrial. Os investimentos dos nove núcleos somam, juntos, R$ 67.500.000,00.
A motivação para a execução desse projeto originou-se do fato de os associados da Cooperativa Dália Alimentos Ltda. serem, em sua maioria, pequenos produtores e, por isso, necessitarem de mais opções  para formação de renda, além do leite e suínos. A Cooperativa entendeu que o frango de corte é compatível com as duas atividades já praticadas (suínos e leite) resultando daí a motivação para a estruturação de um Programa de Produção Cooperada de Frango de Corte.
 A crise na China criou a expectativa de melhoria nos preços mundiais de proteína animal. Com certeza, trata-se de uma oportunidade para obter melhor rentabilidade no mercado de carnes, porém, não necessariamente com exportações para a China. Os efeitos causados pelos problemas ocorridos com a peste suína africana naquele país  abrangem o mercado mundial, refletindo, inclusive no comportamento dos preços praticados no mercado interno. Por outro lado, o mercado brasileiro de proteína animal, sozinho, não tem condições de acompanhar as variações de preços que deverão ocorrer no mercado internacional, devido ao baixo consumo resultante da grave crise econômica aqui instalada. Como a atividade suinícola brasileira, há tempos, está sofrendo sucessivas crises, pela impossibilidade de repassar os custos para mantê-la rentável, esta é, realmente, uma oportunidade para buscar-se o equilíbrio econômico da atividade. Assim, as ações da Dália Alimentos não terão como foco somente o mercado chinês, pois caracteriza-se por fortes parcerias com consumidores e clientes no mercado interno, já que os produtos Dália estão presentes em 24 estados brasileiros e no Distrito Federal e exporta para 20 países localizados nos continentes asiático e africano e no leste europeu, além de países do Mercosul.

Mercado
Com a previsão de que a Peste Suína Africana deverá devastar cerca de 30% da produção de carne suína na China e cerca de 14% da produção de carne suína mundial, a previsão é de que a carne de frango abasteça essa demanda do mercado e passe a ser a proteína animal mais consumida no mundo nestes próximos anos. A PSA (Peste Suína Africana) ainda está fora de controle, não existe vacinas para o rebanho e quando ela ataca é devastadora.

Produto no mercado
Desde maio deste ano a Dália Alimentos já está com o frango Golden Chicken  no mercado em caráter experimental através de uma parceria com a Cooperativa Languiru, de Teutônia, no sistema de intercooperação.
A partir de outubro, a produção será realizada pelo frigorífico que a Dália está estruturando em Arroio do Meio.


Fonte: Assessoria de Imprensa

Data de publicação: 02/08/2019

Compartilhe!