O secretário da fazenda Mateus Pianezzola é o atual responsável pelo cadastro no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no qual, todas as áreas rurais devem estar cadastradas.

O secretário da fazenda Mateus Pianezzola é o atual responsável pelo cadastro no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no qual, todas as áreas rurais devem estar cadastradas.

Porém, segundo ele, muitas pessoas confundem este cadastro que deve ser feito uma única vez, com o ITR, um imposto que o STR recolhe que é cobrado anualmente.

“O que queremos explicar a comunidade rural é que o cadastro no Incra só precisa ser feito uma vez e não anualmente. Todas as propriedades rurais devem estar cadastradas no Incra, e quando sofrerem mudanças como venda, inventário, doação para herdeiro, aumento da propriedade, desmembramento, enfim, aí precisa atualizar o cadastro, caso contrário, não é preciso vir todo ano na Prefeitura para cadastrar”, pontua o secretário.

Ele conta que ao realizar o cadastro anualmente, o proprietário paga cerca de R$ 5 reais, já no caso de atualizar a cada dez anos ou quando necessário, o valor fica em torno de R$ 45 reais.     “Vale muito mais a pena ao proprietário fazer o cadastro a cada dez anos ou até período maior, pois por exemplo, o pagamento deve ser feito no Banco do Brasil, que não tem aqui em Anta Gorda, então se realizar anualmente, acaba gastando mais em deslocamento do que o próprio valor da atualização, e sem necessidade”.

 Incra poderá ser transferido para STR

 Em breve, o cadastro do Incra deverá ser feito junto ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais o qual já realizou cadastro no Instituto e aguarda para ser qualificado ao atendimento. “Acreditamos que o Incra passará para o STR ainda este ano após uma pessoa ser qualificada para isso”.

 

Incra X ITR

 Incra: É preciso cadastrar somente uma vez e depois quando houver mudança.

 ITR: Imposto que deve ser pago todos os anos.

 

Fonte: Assessoria de imprensa

Data de publicação: 24/01/2020

Compartilhe!