Estiagem perdura e falta da água já preocupa. Previsão de regularização das chuvas somente a partir de 20 de maio

O secretário de Agricultura de Anta Gorda, Joelmo Balestrin fala da preocupação gerada pela falta de chuvas. “No dia 9 de março reunimos o Conselho de Agricultura, do qual fazem parte representantes de diversas entidades como a Emater, o STR, entidades bancárias, Cosuel, Cerfox, e produtores, quando discutimos a situação da estiagem e foi feito um levantamento onde foi definido que o milho e a soja, já tinham contabilizado 50% de perdas, leite e erva-mate 20% e fumo 30%, isso levando em consideração uma média de perdas naqueles dias, saliento sempre que isso é uma média, tem produtores com mais e com menos perdas, são situações diferentes e claro que hoje, se fizemos uma nova avaliação, as perdas serão maiores”, esclarece Balestrin.
Com o Decreto de Emergência do Município desde março, quando foi constatado que a estiagem se estenderia por mais tempo e já causava sérios prejuízos, o município está amparado juridicamente, apesar de até o momento não ter recebido nenhum recurso para fazer frente às demandas geradas pela estiagem.
No dia 8 de abril, Balestrin destaca que acompanhou com a prefeita Madalena uma videoconferência com o secretário Estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos. "Ele falou sobre o cenário a ser enfrentado nos próximos meses, afirmando que abril seria mais um mês de poucas chuvas e que em maio e junho teríamos chuvas acima da média, embora que recentemente há novas previsões de que somente a partir do dia 20 de maio para normalizar a situação da estiagem, ou seja, praticamente será todo o mês de maio perdido".
Com o agravamento da estiagem está faltando água em diversas comunidades do interior e o município está precisando suprir a necessidade de abastecimento.  “Temos registros de vários poços que secaram, a comunidade da Linha Quarta está fazendo uma parceria com o município, em uma semana o município faz o transporte de água, no outro a comunidade paga pelo transporte de água potável, para consumo humano. O nosso caminhão que era usado para transportar dejetos está sendo usado exclusivamente para o transporte de água. Estão sendo puxadas cerca de oito cargas por dia, para abastecer criações de suínos e em função da produção de leite. O que estamos pedindo é a compreensão de todos,  que nos liguem, que façam uma agenda, porque a demanda  é cada vez maior”, frisou o secretário.
Na quarta-feira foram encaminhados dois ofícios, um para a Secretaria de Obras do Estado e outro para a Secretaria da Agricultura. "Estamos solicitando um empréstimo de uma retroescavadeira hidráulica, visando poder amenizar um pouco essa questão da estiagem para o próximo ano, isso não seria um efeito imediato, mas uma atitude já prevendo o que vai acontecer, já que as previsões para 2021 não são as melhores. Estamos vendo com os produtores, quem teria interesse para fazermos cisternas, visando armazenar a água da chuva para posterior uso, nos dias de estiagem, uma vez que a nossa demanda, devido ao aumento das produções é bem maior”, esclareceu Balestrin. Na Secretaria de Meio Ambiente e Infraestrutura foi protocolado um novo pedido de abertura de um poço artesiano na área urbana, uma vez que já existiam protocolos com este pedido a mais tempo, em função de que a Administração previa a necessidade.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Data de publicação: 24/04/2020

Compartilhe!