Com o prolongamento da estiagem, a população já sente os efeitos, como a escassez de água até para beber

Anta Gorda, assim como os municípios vizinhos passa por dificuldades devido a estiagem. São problemas com abastecimento de água e perdas significativas na agricultura.

A administração está adotando várias medidas e ações para enfrentar essas dificuldades, são ações com agricultores e também junto ao governo do Estado, Famurs e a União.

A Defesa Civil do Estado visitando o município nessa sexta-feira, 8, para finalizar o processo de homologação do pedido de situação de emergência.

O coordenador regional da Defesa Civil  Tenente Coronel Fernandes explica como é o processo para que o Estado homologue os pedido de situação de emergência “Dentro do processo de decretação de situação de emergência, é feita toda a documentação no Sistema de Informações Integradas, e essas informações e a documentação passa por uma análise e depois nós vamos até o local e fazemos uma visita técnica, que consiste em ir as comunidades atingidas e fazer uma análise in loco e com isso ter subsídios para fazer o parecer que é o que vai finalizar o processo para a homologação estadual e depois o reconhecimento federal”. 

Fernandes destaca que o município de Anta Gorda cumpriu todos os passos para a homologação faltando apenas essa análise que foi feita nessa tarde. “Toda a documentação já foi enviada pelo município, agora com essa visita vamos ver os efeitos da estiagem nas lavouras e nas comunidades para fazermos o nosso parecer”.

A prefeita Madalena G. Zanchin salienta que aguarda o reconhecimento da situação de emergência. “Agora com toda a documentação entregue e com a visita técnica aguardamos o reconhecimento da situação de emergência e a homologação do Estado e posterior reconhecimento do Ministério do Desenvolvimento Regional para concluir o processo”

De acordo com o secretário da Agricultura  Joelmo Balestin a homologação é importante para que os agricultores possam renegociar os seus financiamentos  “A gente sabe que muitos agricultores passam por dificuldades e com essa homologação terão a possibilidade de renegociar as suas dívidas junto as instituições bancárias,  essa é uma preocupação que nós temos  e por isso estamos fazendo todos os passos necessários para que em breve a situação de emergência seja reconhecida”

 

Ações executadas pelo município

Por meio das secretarias de Obras e Agricultura o município está agindo junto a comunidade em especial no interior, executando trabalho de limpeza e abertura de fontes, transporte de água para animais com caminhão-tanque e transporte de água para o reservatório da Linha Quarta.

Outra medida adotada foi decretar situação de emergência, sendo que o município está buscando a homologação da Defesa Civil do Estado e o reconhecimento do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

A administração também iniciará em breve um estudo do nível de água nos  poços para verificar a necessidade de um racionamento de água.

 

Medidas junto ao Governo do Estado

 

A Administração Municipal também está buscando junto a Secretaria de Agricultura do Estado a cessão de uso de maquinário para a perfuração de poços nas comunidades do interior e a construção de cisternas.

Da mesma forma está pleiteando junto a Secretaria de Obras a cessão de maquinário para a perfuração de poços no interior e na zona urbana, construção de cisternas e recurso emergencial para perfuração de poços destinado ao município.

Junto a Secretaria do Meio Ambiente e a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) foi informada a situação de estiagem e encaminhadas as demandas e necessidades.

Cadastro de projetos junto a Funasa

Junto a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) Anta Gorda se cadastrou em programas para captação e abastecimento de água. Um dos programas ao qual o município de cadastrou é o Programa Salta Z, tipo “bica” de captação de água de rio, açude, vertente, poço, entre outras fontes para o tratamento para o uso de água potável. O programa é composto de kits com reservatórios de cinco mil litros, bomba de recalque, filtro, tubulações e insumos de tratamento.

Outro pedido junto a Funasa é a ampliação do sistema de abastecimento de água na área rural, por meio de ampliação e substituição de redes, reservatório e canos em aproximadamente 12 comunidades. E a aprovação de auxílio de R$ 25 milhões para serviços emergenciais para combate aos efeitos da estiagem, tais como, perfuração de poços, redes de água e equipamentos e contratação de horas-máquina.

Madalena ressaltou a preocupação e o empenho do poder executivo em buscar solução para os problemas causados pela estiagem. “Enfrentamos uma situação muito delicada, a estiagem está gerando uma série de problemas, além das perdas econômicas na produção, temos escassez de água para abastecimento de produções e agora já estamos registrando falta d’água até para o consumo humano”, por isso é importante usar a água para o estritamente necessário,  evitando nesse momento de lavar calçadas e carros, afinal não temos certeza sobre qual será o prazo para o final desta estiagem”, frisou Madalena.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Data de publicação: 08/05/2020

Compartilhe!